PT | EN | ES

Patrimônio histórico para desenvolvimento sustentável de cidades

Publicado em: 07.07.23 Escrito por: Paulo Alexandre Barbosa Tempo de leitura: 4 min Temas: Modernização da Administração
Voltar ao topo

Patrimônio histórico para desenvolvimento sustentável de cidades

 

Paulo Alexandre Barbosa  

A memória de uma sociedade depende de múltiplas iniciativas, entre as quais, a proteção de seu acervo físico, de prédios e lugares. 

Nos últimos anos, esse processo vem-se sofisticando, por meio da adoção de variadas estratégias de ação do poder público. Esse esforço está baseado na preservação, valorização e ressignificação do patrimônio histórico para desenvolvimento sustentável de cidades – contemplado na Agenda 2030 da ONU.  

A preservação é a face mais visível do processo, que mobiliza profissionais para atividades preventivas (conservação) e reativas (restauro), a fim de garantir a integridade de locais valorizados pela comunidade.

A conscientização desse cuidado deve ocorrer ainda no ensino básico, quando a importância do papel dos museus é descoberta.  

 

Preservação, valorização e ressignificação do patrimônio histórico

Mais recentemente, a relevância da preservação histórico-cultural foi avivada em escala mundial, após o incêndio que atingiu Notre Dame. Após o ocorrido, houve arrecadação de fundos para restaurar a catedral – confirmando seu valor que possui para as pessoas, pelo turismo ou pela história francesa. Ainda nesse sentido, a Agenda 2030 expôs essas preocupações ao incluir a cultura de maneira inédita entre os objetivos do desenvolvimento e estipular a proteção do patrimônio histórico como fim em si mesmo (ODS 11, meta 11.4).  

A valorização, outro relevante pilar da proteção histórica, abrange atividades de pesquisa e curadoria por profissionais de diferentes áreas do conhecimento, como historiadores, museológos, arqueólogos e antropólogos. Muitos museus, além de se responsabilizarem por acervos, tornaram-se centros de investigação para concorrer a diversidade cultural e disseminação da paz (ODS 4, meta 4.7).  

Instituições, como o Museu Britânico, não somente custodiam arquivos, mas também apoiam estudos acadêmicos. Esse é o caso de uma recente obra dedicada a povos do Caribe, que foi divulgada para público mais amplo por editora própria. Em Santos, o Museu do Café, além de ser importante para a identidade brasileira por ter abrigado a bolsa oficial do grão, apoia projetos como o “Memórias do Comércio do Café em Santos”, que também contribui para dar visibilidade à história cafeeira

Dimensão ainda incipiente, mas que se desenvolve de forma rápida, é a da ressignificação. Essa faceta mais recente da proteção do patrimônio histórico dialoga intimamente com a agenda de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas. A Nova Agenda Urbana (Declaração de Quito, 2016), notadamente, admite que o patrimônio histórico deve ser compreendido como parte integrante de um todo (a cidade), e, portanto, compor um conjunto de políticas urbanas e territoriais integradas e orientadas para as pessoas.  

 

Agenda 2030 e o desenvolvimento sustentável de cidades

Na visão da Conferência das Nações Unidas sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável (Habitat III), esses equipamentos devem apoiar a revitalização de determinadas regiões e contribuir para que sua proteção seja sustentável social, econômica e ambientalmente (ODS 8 e ODS 17). Exemplo de iniciativas pontuais: conversão de uma antiga igreja em livraria, em Maastricht (Dominikanen) e de uma estação de trem na Sala SP. Ademais, pode também desenvolver-se no âmbito de programas estruturantes, como o Novo Centro Velho, em Santos, que vêm mobilizando recursos da recuperação de prédios, como um edifício do século XIX, transformado no Museu Pelé, e da ocupação da região central, tanto por moradores como por empreendedores da economia criativa.  

Portanto, a preservação, valorização e ressignificação do patrimônio histórico servem como norte para a intervenção do poder público – de forma perene. Por constarem na Agenda 2030, sua importância para a promoção do desenvolvimento sustentável, especialmente dos centros urbanos, é endossada.



*Esse conteúdo pode não refletir a opinião da Comunitas e foi produzido exclusivamente pelo especialista da Nossa Rede Juntos.

Artigo escrito por: Paulo Alexandre Barbosa
Ex-prefeito de Santos (SP) e colaborador da Comunitas
O que você
achou desse
conteúdo?

Média: 0 / 5. Votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar!

Compartilhe
este conteúdo:

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas

Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública IX: Auditoria interna, Responsabilidade e Integridade

A avaliação do quanto a gestão contempla integridade, coerência dos objetivos, estratégias e riscos, transparência, equidade e accountability depende, numa primeira instância, do aprimoramento das regras e normas que orientam o trabalho das auditorias internas, para que esta possa avaliar se tudo está em conformidade com as leis: leis, muito mais que limites, podem ser vistas como orientação sobre como as coisas podem dar certo ou não.
21.06.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Governança Compartilhada, Modernização da Administração, Planejamento Estratégico, Transparência e Combate à Corrupção

Governança Corporativa e Gestão Pública VIII: Accountability

A conquista da confiança da população por parte dos agentes públicos, no longo prazo, vai muito além da propaganda e de números; está muito ligada ao sentido que este dá a suas ações, às justificativas, à responsabilização sobre bons e maus resultados, inclusive em relação ao cumprimento de compromissos que assume com os demais agentes da esfera pública, que processo que chamamos em Governança de Accountability.
14.06.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Atendimento ao Cidadão, Gestão de Pessoas, Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública VII: Equidade e sociedade civil organizada

Existem mecanismos fundamentais na gestão pública que viabilizam a Equidade na participação da sociedade civil organizada, como parcerias com terceiro setor e fortalecimento dos conselhos municipais. Governança é exatamente esta capacidade da Gestão de trazer os mais diversos atores para definição da agenda, elaboração e implementação de soluções
10.05.24 Marcos Antonio Rehder Batista

Lideranças com espírito público

Somos servidores, prefeitos, especialistas, acadêmicos. Somos pessoas comprometidas com o desenvolvimento dos governos brasileiros, dispostas a compartilhar conhecimento com alto potencial de transformação.