PT | EN | ES

Pesquisas eleitorais e democracia

Publicado em: 21.07.22 Escrito por: Paulo Alexandre Barbosa Tempo de leitura: 4 min Temas: Modernização da Administração
Voltar ao topo

Pesquisas eleitorais e democracia

Julho, 2022

 

Foto por Element5 Digital | Unsplash

 

Eleições são momentos decisivos da vida política de países democráticos. Quando o eleitorado entende que seus representantes estão no caminho certo, ele tende a votar em candidatos da situação. Em sentido contrário, quando eleitores percebem que há equívocos em relação ao que entendem ser o melhor para a coletividade, candidatos da oposição costumam sair-se melhor. Ao longo desse processo, pesquisas eleitorais são de grande importância, pois conferem mais transparência ao processo eleitoral, reforçam a confiança no sistema político e direcionam o eleitorado para o exercício do voto útil.

Pesquisas eleitorais aprimoram a transparência das disputas políticas. Elas melhoram a qualidade da democracia, pois servem como guias estatisticamente seguros a respeito da idoneidade dos resultados eleitorais. Embora resultados inesperados também aconteçam, na medida em que as emoções humanas estão sujeitas a mudanças, elas permitem avaliar o processo de formação da vontade do eleitor com base em variáveis como discurso político, carisma e tempo de televisão.

No Brasil, especificamente, esses levantamentos precisam ser registrados na justiça eleitoral e por conseguinte, criam-se incentivos extras para que institutos de pesquisa, atentos a seus riscos reputacionais, sigam as regras do jogo. Analisados sistematicamente, além disso, esses levantamentos são fontes primárias importantes para pesquisas acadêmicas posteriores.

A confiança no sistema político é outro benefício da realização de pesquisas eleitorais. Corolário da transparência, ela contribui para que o espaço público seja aberto à competição. Como via de regra, essas pesquisas devem ser realizadas por terceiros a fim de reduzir-se o clássico problema entre agente (instituições que realizam as pesquisas) e principal (governo).

Esse persistente conflito de interesses marcou a história de diversos países. Em algumas nações da América Latina, por exemplo, onde a justiça eleitoral passa por interferências governamentais constantes, a realização de pesquisas eleitorais independentes é fundamental como elemento de contestação.

O sistema representativo, todavia, não deve ser confiável apenas durante as eleições. A realização de estudos durante os mandatos políticos, nesse sentido, reforça o vínculo de confiança entre a população e seus governantes. Em Santos, durante os oito anos em que estivemos à frente da prefeitura, avaliar constantemente a satisfação da população com as medidas adotadas em nossa gestão consolidou-se como uma regra de ouro.

Aspecto por vezes estigmatizado sobre os efeitos de levantamentos das intenções de voto dos candidatos é o de sua contribuição para a manifestação do “voto útil” dos cidadãos. À primeira vista, tende-se a pensar que as pesquisas beneficiam o status quo, ou que não refletem as verdadeiras aspirações populares. Essa percepção, contudo, é equivocada.

Em primeiro lugar, porque ela parte da premissa que o voto útil é um voto irrefletido, baseado no “comportamento de manada” dos eleitores. Sabe-se, no entanto, que ao início de campanhas eleitorais, um número expressivo de cidadãos ainda não decidiu em quem votar. A convicção do eleitor, portanto, desenvolve-se ao longo do tempo, o que é indicativo de sua abertura a novas propostas. Em segundo lugar, ignora-se o fato de que o chamado voto útil é também o voto do cidadão na condição de membro da sociedade, e, nesse sentido, uma chancela aos candidatos que se mostrem mais consistentes para a defesa de interesses comuns, e não necessariamente de suas “paixões” individuais.

Pesquisas eleitorais são um dos pilares contemporâneos da democracia. Elas tornam as disputas eleitorais mais transparentes e competitivas, além de constituírem registro dos humores da população. Ao serem realizadas externamente ao governo, reforçam a integridade do espaço público. Por fim, servem para orientar os cidadãos a tomarem decisões que equilibrem, com maior propriedade, suas preferências pessoais e as necessidades da população em geral.



*Esse conteúdo pode não refletir a opinião da Comunitas e foi produzido exclusivamente pelo especialista da Nossa Rede Juntos.

Artigo escrito por: Paulo Alexandre Barbosa
Ex-prefeito de Santos (SP) e colaborador da Comunitas
O que você
achou desse
conteúdo?

Média: 0 / 5. Votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar!

Compartilhe
este conteúdo:

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas

Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública IX: Auditoria interna, Responsabilidade e Integridade

A avaliação do quanto a gestão contempla integridade, coerência dos objetivos, estratégias e riscos, transparência, equidade e accountability depende, numa primeira instância, do aprimoramento das regras e normas que orientam o trabalho das auditorias internas, para que esta possa avaliar se tudo está em conformidade com as leis: leis, muito mais que limites, podem ser vistas como orientação sobre como as coisas podem dar certo ou não.
21.06.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Governança Compartilhada, Modernização da Administração, Planejamento Estratégico, Transparência e Combate à Corrupção

Governança Corporativa e Gestão Pública VIII: Accountability

A conquista da confiança da população por parte dos agentes públicos, no longo prazo, vai muito além da propaganda e de números; está muito ligada ao sentido que este dá a suas ações, às justificativas, à responsabilização sobre bons e maus resultados, inclusive em relação ao cumprimento de compromissos que assume com os demais agentes da esfera pública, que processo que chamamos em Governança de Accountability.
14.06.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Atendimento ao Cidadão, Gestão de Pessoas, Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública VII: Equidade e sociedade civil organizada

Existem mecanismos fundamentais na gestão pública que viabilizam a Equidade na participação da sociedade civil organizada, como parcerias com terceiro setor e fortalecimento dos conselhos municipais. Governança é exatamente esta capacidade da Gestão de trazer os mais diversos atores para definição da agenda, elaboração e implementação de soluções
10.05.24 Marcos Antonio Rehder Batista

Lideranças com espírito público

Somos servidores, prefeitos, especialistas, acadêmicos. Somos pessoas comprometidas com o desenvolvimento dos governos brasileiros, dispostas a compartilhar conhecimento com alto potencial de transformação.