PT | EN | ES

O papel da resiliência no desenvolvimento de lideranças femininas saudáveis

Publicado em: 18.08.23 Escrito por: Rafaela Bastos Tempo de leitura: 4 min Temas: Modernização da Administração
Voltar ao topo

O papel da resiliência no desenvolvimento de lideranças femininas saudáveis

Agosto, 2023

Créditos: Finance Executives International.

Por Rafaela Bastos | Presidente do Instituto Fundação João Goulart Prefeitura do Rio, gestora pública, geógrafa especialista em gerenciamento de projetos, economia comportamental e branding, e colaboradora da plataforma Rede Juntos.

A reflexão sobre o feminino na sociedade tem promovido questionamentos e percepções de que existem muitas ações baseadas em papéis, identidades, crenças e estereótipos e, ainda, sobre a interação de comportamentos de mulheres e homens em ambientes comuns tornam transparentes desigualdades de direitos básicos.

 

Resiliência é uma palavra que escutamos muitas vezes como uma espécie de força capaz de nos levantar diante de nossos desafios. Ser resiliente envolve, antes de mais nada, o autoconhecimento. Um “quê” de autodidatismo, de tato, de empatia. Mas com nós mesmos. Essa é a chave. Precisamos tatear a nossa jornada de frustrações, acasos, desmotivações, “nãos” e incompreensões.

Por que autoconhecimento é crucial para o comportamento resiliente ter papel fundamental em nossa mentalidade de crescimento? Porque parte de muito do que acessamos ao sermos resilientes é fruto do que compreendemos sobre as nossas dores, erros e dúvidas. É parte de como lidamos com as questões que se apresentam e os acontecimentos que se desdobram. Muitos estudiosos têm afirmado que a relação do autoconhecimento com a liderança é a chave para sermos líderes autênticos. A dica é: aprendermos com as nossas histórias de vida.

 

É fundamental que deixemos de ser observadores dos fatos sobre nós e passemos a refletir com criticidade sobre e construir as narrativas dos fatos que nos acontecem e alinhado à nossa personalidade profissional e/ou, como muitos falam atualmente, à nossa marca pessoal. Este processo colabora para que sejamos resilientes às incertezas e acessemos o que há em nós para lidarmos com os revezes.

 

A resiliência requer autoconhecimento. A liderança requer resiliência. O autoconhecimento requer conexão. É preciso que sejamos conectivos. Precisamos nos conectar aos nossos processos de autoconhecimento e ao resultado dessas experiências. Quando nos conectamos ao nosso autoconhecimento, tendemos a liderar de maneira saudável e autêntica. É a força do feminino.

 

Resiliência, feminino e liderança é uma tríade que deve ser a base para os próximos tempos para promovermos grandes mudanças. Com autoconhecimento é possível o discernimento de que os fatos que nos cercam, mesmo cargos, podem não ser sobre nós, que pode ter a ver com o tempo das coisas, o contexto, ou seja, sobre em como nos inserimos e deixamos nos afetar pelos acontecimentos. É sobre um movimento e momento que nos oportuniza decidir e fazer escolhas de gestão. E esse processo é um ciclo contínuo enquanto ocuparmos cargos de liderança.

 

Não pensar que é exclusivamente sobre nós, enquanto indivíduo, não destitui o lugar de autoridade e tampouco de reconhecimento sobre as realizações no período da gestão em que liderarmos, mas sim tornar as nossas decisões específicas, saudáveis de forma a contribuir para uma cultura organizacional pautada na potência das pessoas que são a sua base, porque nos colocamos com saúde e autenticidade.

 

Vamos promover mais ações baseadas em cada uma de nós, no nosso autoconhecimento, conectadas. Uma puxando a outra. Uma abrindo caminho para a outra. Uma apoiando a outra. Todas líderes de si mesmas. Sejamos saudáveis. É o segredo para sermos lideranças autênticas.

 

*O presente artigo reflete as opiniões pessoais do colaborador. 



*Esse conteúdo pode não refletir a opinião da Comunitas e foi produzido exclusivamente pelo especialista da Nossa Rede Juntos.

Artigo escrito por: Rafaela Bastos
Presidente do Instituto Fundação João Goulart
O que você
achou desse
conteúdo?

Média: 0 / 5. Votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar!

Compartilhe
este conteúdo:

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas

Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública IX: Auditoria interna, Responsabilidade e Integridade

A avaliação do quanto a gestão contempla integridade, coerência dos objetivos, estratégias e riscos, transparência, equidade e accountability depende, numa primeira instância, do aprimoramento das regras e normas que orientam o trabalho das auditorias internas, para que esta possa avaliar se tudo está em conformidade com as leis: leis, muito mais que limites, podem ser vistas como orientação sobre como as coisas podem dar certo ou não.
21.06.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Governança Compartilhada, Modernização da Administração, Planejamento Estratégico, Transparência e Combate à Corrupção

Governança Corporativa e Gestão Pública VIII: Accountability

A conquista da confiança da população por parte dos agentes públicos, no longo prazo, vai muito além da propaganda e de números; está muito ligada ao sentido que este dá a suas ações, às justificativas, à responsabilização sobre bons e maus resultados, inclusive em relação ao cumprimento de compromissos que assume com os demais agentes da esfera pública, que processo que chamamos em Governança de Accountability.
14.06.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Atendimento ao Cidadão, Gestão de Pessoas, Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública VII: Equidade e sociedade civil organizada

Existem mecanismos fundamentais na gestão pública que viabilizam a Equidade na participação da sociedade civil organizada, como parcerias com terceiro setor e fortalecimento dos conselhos municipais. Governança é exatamente esta capacidade da Gestão de trazer os mais diversos atores para definição da agenda, elaboração e implementação de soluções
10.05.24 Marcos Antonio Rehder Batista

Lideranças com espírito público

Somos servidores, prefeitos, especialistas, acadêmicos. Somos pessoas comprometidas com o desenvolvimento dos governos brasileiros, dispostas a compartilhar conhecimento com alto potencial de transformação.