PT | EN | ES

Confira 5 dicas para firmar parcerias público privadas em seu território

Publicado em: 08.05.23 Escrito por: Redação Tempo de leitura: 5 min Temas: Modernização da Administração
Voltar ao topo

Confira 5 dicas para firmar parcerias público privadas em seu território

 

Quando se fala de contratualização, é preciso saber que, de 20 anos para cá, desde quando foram celebradas as primeiras parcerias entre os setores público e privado, houve um grande avanço no que concerne à produção de conhecimento. E a Comunitas criou um site especial totalmente voltado ao tema para apoiar o gestor público nesse desafio.

 

O espaço abriga um robusto mapeamento de processos de contratualização, em mais de 50 territórios Brasil afora, com o objetivo de subsidiar governos na formulação de políticas e processos de contratualização da gestão pública. Com os materiais disponibilizados na área, o gestor público pode qualificar o planejamento e a melhoria da prestação de serviços aos cidadãos!

 

As contratualizações em si, ou seja, os diversos mecanismos legais que permitem que os três níveis de governo possam celebrar parcerias com o setor privado, sofreram grandes mudanças da década de 90 para cá. Isso se deve à necessidade de trazer avanços legislativos que delimitem os papéis das partes, mirando sempre o objetivo maior: prover melhores serviços para a população.

 

Apesar dos inúmeros desafios que implementar uma parceria entre os setores público e privado pode proporcionar ao gestor público (independente da modelagem jurídica utilizada), a boa notícia é que é possível fazer. E, com isso, a população consegue enxergar mais os avanços realizados na prestação dos serviços públicos.

 

A seguir, confira 5 dicas para apoiá-lo na contratualização de um serviço público.

 

I. Definir uma boa estratégia 

Para se ter sucesso em uma contratualização, é preciso pensar em estratégia. É necessário saber quais são os objetivos da parceria, o que se quer fazer e onde se quer chegar. Isso porque existem muitos passos e um grande número de pessoas envolvidas. A secretária de Planejamento do Ministério de Planejamento e Orçamento, Leany Lemos, descreveu as contratualizações como “um jogo de vídeo game”, em que uma fase é mais difícil que a anterior. “Onde eu vi sucesso, foi onde houve uma boa estratégia desde o princípio, em que houve priorização, foco e determinação de fazer”, contou ela. 

 

II. Realizar um diagnóstico das capacidades instaladas

Embora possa existir o desejo de desenvolver uma contratualização em territórios, muitas vezes a administração local esbarra no desafio de não ter equipes que possam gerenciar o projeto. Portanto, identificar esses indivíduos, ou até mesmo capacitá-los para formar essas unidades pode ser até mais importante do que a contratualização em si. Além disso, também é preciso conjugar a capacidade técnica com a capacidade de execução das pessoas que vão integrar esse departamento. 

 

III. Possuir ou contratar um escritório de gerenciamento de projetos

Outras vezes, o território até pode ter um conjunto preparado de pessoas para gerenciar os projetos, porém, é preciso modelar os contratos. Portanto, é importante identificar pessoas que tenham tanto a capacidade quanto a flexibilidade de reconhecer a necessidade de se contratar um escritório com consultores e especialistas que vão apoiar na modelagem jurídica das contratualizações. Em diversas ocasiões, não é necessário nem contratar uma instituição privada para fazer isso, visto que a abertura de um processo de licitação pode atrasar ainda mais o projeto. Até mesmo órgãos estatais podem realizar essa função, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). 

 

IV. Mudar conceitos é fundamental 

Quando se pensa em contratualizar um determinado serviço, muitas vezes o foco principal do gestor público é o controle de gastos. Muito embora esse seja um fator importante, essa não deve ser a principal causa para fazê-lo. É preciso ter em mente que o objetivo é prover melhores serviços para a população e, em muitas ocasiões, a contratualização terá um custo mais elevado aos cofres públicos. Porém, a qualidade na prestação de serviços é o que mais vai impactar na ponta, ou seja, os usuários. 

 

V. Escutar as pessoas pode quebrar resistências

Naturalmente, o gestor público só pode contratualizar serviços públicos. Portanto, na maioria das vezes, a população pode achar que o prefeito, governador ou presidente está privatizando um serviço – que é muito diferente de contratualizá-lo. Em outras ocasiões, os próprios servidores, responsáveis pela prestação do serviço, podem oferecer resistência por achar que serão destituídos de direitos. 

 

A única forma de contornar essas resistências é manter o diálogo aberto tanto com a sociedade quanto com os servidores. Esse simples expediente, inclusive, pode oferecer até perspectivas para o gestor do que exigir do parceiro na prestação do serviço, ajudando a aperfeiçoar as iniciativas. 

O que você
achou desse
conteúdo?

Média: 3 / 5. Votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar!

Compartilhe
este conteúdo:

Veja os comentários desta publicação

  1. Nonilde disse:

    Adorei o post foi bem clara com dicas e perspectivas para uma boa parceria publica

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas

Governança Compartilhada, Modernização da Administração, Planejamento Estratégico, Transparência e Combate à Corrupção

Governança Corporativa e Gestão Pública VIII: Accountability

A conquista da confiança da população por parte dos agentes públicos, no longo prazo, vai muito além da propaganda e de números; está muito ligada ao sentido que este dá a suas ações, às justificativas, à responsabilização sobre bons e maus resultados, inclusive em relação ao cumprimento de compromissos que assume com os demais agentes da esfera pública, que processo que chamamos em Governança de Accountability.
14.06.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Atendimento ao Cidadão, Gestão de Pessoas, Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública VII: Equidade e sociedade civil organizada

Existem mecanismos fundamentais na gestão pública que viabilizam a Equidade na participação da sociedade civil organizada, como parcerias com terceiro setor e fortalecimento dos conselhos municipais. Governança é exatamente esta capacidade da Gestão de trazer os mais diversos atores para definição da agenda, elaboração e implementação de soluções
10.05.24 Marcos Antonio Rehder Batista
Atendimento ao Cidadão, Comunicação e Engajamento Cívico, Governança Compartilhada, Modernização da Administração

Governança Corporativa e Gestão Pública VI – Equidade e parcerias

Para que os bens e serviços públicos possam promover o bem-estar dos cidadãos, o poder público estabelece parcerias com empresas e outras lideranças políticas que respectivamente, buscam lucro honesto e fortalecimento político.
16.04.24 Marcos Antonio Rehder Batista

Lideranças com espírito público

Somos servidores, prefeitos, especialistas, acadêmicos. Somos pessoas comprometidas com o desenvolvimento dos governos brasileiros, dispostas a compartilhar conhecimento com alto potencial de transformação.