Como desenhar uma metodologia de avaliação de desempenho atrelada à remuneração

avenida cortando a praia e os prédios

Foto: Freepik

Introdução

Os municípios participantes da Jornada de Transformação da Gestão de Pessoas se propuseram a desenvolver projetos que buscassem valorizar, engajar e desenvolver os servidores de suas prefeituras. O objetivo central foi promover a co-criação de projetos pilotos que trouxessem inovação para a gestão de pessoas no setor público para que servidores possam se tornar agentes da mudança nas suas administrações e assim gerar melhorias nos serviços para a população. Durante oito meses, as equipes se encontraram semanalmente para trabalhar intensamente a fim de reconhecer a importância do trabalho desenvolvido pelo servidor, e principalmente, colocá-lo no centro da gestão pública. Afinal, governo é feito por pessoas, e para transformar a gestão pública, precisamos pensar nas pessoas que fazem as coisas acontecerem!

Para dar continuidade a apresentação dos projetos-pilotos da Jornada de Transformação da Gestão de Pessoas para a semana do servidor da plataforma Rede Juntos, – confira aqui se você perdeu os posts anteriores sobre Campinas e Fortaleza – agora é a vez de falarmos sobre o projeto de Maceió, que durante a Jornada trabalhou para desenhar uma metodologia de avaliação de desempenho atrelada à remuneração.

Diagnóstico e desafios iniciais

A equipe de Maceió identificou que os seus servidores públicos estavam passando por insatisfações no desenvolvimento de suas funções e, para poder transformar este cenário eles fizeram uma pesquisa de campo com os servidores para entender as raízes do problema. Através desta pesquisa, onde eles conversaram com diversos servidores, identificaram alguns pontos que poderiam ser resolvidos e/ou melhorados. São eles:

  • Ausência de norteamento de atividades a serem desempenhadas;
  • Falta de indicadores claros e mensuráveis na gestão;
  • Remuneração baixa e desatualizada;
  • E, servidores desmotivados e descontentes com suas atividades.

Após esta avaliação, a equipe de Maceió se reuniu para identificar como seria possível contornar esses problemas. Juntos, eles chegaram à solução de construir uma metodologia de avaliação de desempenho que fosse atrelada à remuneração. Isto porque esta metodologia buscará estabelecer metas de trabalho, adequar o salário a depender do desempenho, aumentar o engajamento e motivação, e tornar o ambiente de trabalho mais satisfatório. Dessa forma, Maceió acredita ser possível construir um ambiente satisfatório de trabalho, no qual os servidores possuem diretrizes claras, ampliando assim seu engajamento.

Desenvolvimento e metodologia

Para implementação da metodologia de avaliação de desempenho atrelada à remuneração de Maceió, foi necessário a idealização de uma estrutura que transformasse o que era uma ideia em um projeto. Dito isso, ela foi composta por sete passos, sendo eles:

  1. Identificação das ações prioritárias do ano pela equipe de governança da Prefeitura;
  2. Desdobramento das ações em resultados-chave pela equipe de Governança da Prefeitura com o Comitê de Secretariado;
  3. Alimentação do sistema de monitoramento com o andamento das ações;
  4. Envio mensal do relatório de progresso da Secretaria para o Secretário;
  5. Prestação de contas do Secretário para o Gabinete;
  6. Caso a Secretaria bata as metas, todos os seus funcionários recebem a bonificação;
  7. Comitê de Secretariado avalia pedidos para recorrer.

Quer fazer a sua Jornada de Transformação da Gestão de Pessoas assim como o município de Maceió? Acesse agora a trilha de conhecimento da Jornada. 

Entregas, resultados e impactos

O principal resultado do piloto foi a implantação de uma metodologia de avaliação de desempenho inovadora na Prefeitura de Maceió, mais especificamente na Secretaria Municipal de Segurança Comunitária e Convívio Social. Cabe também destacar algumas entregas e resultados secundários obtidos no projeto. São eles:

  • Melhoria do senso de pertencimento dos servidores que fazem parte da equipe piloto;
  • Entregas de atividades dentro do prazo estipulado;
  • Mensurações dos desempenhos das atividades realizadas pela equipe;
  • E, a atuação da secretária passou a ter um olhar multi-departamental nas ações, promovendo um senso de união e colaboração mútua entre os servidores da equipe.

Com relação aos impactos gerados, dois deles podem ser destacados até o momento. Segundo a equipe de Maceió, o piloto transformou a postura dos gestores com suas equipes, trazendo uma contribuição mais colaborativa e integrada com a equipe. Já o outro destaque fica por conta da melhor compreensão por parte dos gestores sobre o contexto e a realidade vivenciada pelo servidor na prefeitura e, como transformá-lo em um promotor do projeto a longo prazo.

Sustentabilidade

Ainda que o projeto esteja bastante avançado, ainda existem alguns passos a serem tomados a fim de promover a sustentabilidade do piloto, tal como, ter base legal para escalabilidade e entender o contexto e a realidade de cada secretaria para implantação do projeto.

Além disso, algumas metas de curto, médio e longo prazo já foram estabelecidas para que os objetivos mencionados acima sejam alcançados. São elas:

A. Curto Prazo

Os objetivos estipulados para serem concluídos em até 6 meses são:

  • Consolidar o projeto piloto na Secretaria Municipal De Segurança Comunitária E Convívio Social (SMSCS), ou seja, constar no Planejamento Estratégico Anual.
  • E, promover o estabelecimento da prerrogativa desse método na Lei Orçamentária Anual de 2023

B. Médio Prazo

Em um período de até 1 ano, ficou estabelecido que ações como:

  • Expansão do método para todos os outros setores da SMSCS;
  • Ter acompanhamento dos indicadores mais fortalecido (reuniões, dashboards, pontos focais, transparência);
  • E, ter alinhamento geral entre os Secretários sobre o projeto-piloto em andamento.

C. Longo Prazo

Já as ações que passam da temporalidade de 1 ano para execução, encontram-se:

  • Escrever instrumento normativo;
  • Criar comissão de secretariado para recorrer a avaliação das metas;
  • Definir ferramenta de gestão de métricas;
  • Expandir para próxima Secretária com perfil semelhante a SMSCS;
  • Estabelecer as ações por via Decreto Municipal;
  • E, realizar estudo de impacto geral.

Replicabilidade: dicas e aprendizados

Gostou da iniciativa e quer replicá-la no seu território? A Rede Juntos separou algumas dicas que podem te auxiliar na replicabilidade do projeto com a ajuda de mentores da rede da Comunitas. No caso de Maceió, os conselhos vieram da Marcia Moralez, coordenadora de gestão de pessoas da Prefeitura de São Paulo, da Maria Muniz, Superintendente Central de Política de Recursos Humanos, da Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado de Minas Gerais e do Fábio Ferraz, Secretário de planejamento e inovação de Santos. Confira!

Dica-1: É preciso ter cuidado com a robustez que se dará ao modelo de avaliação. Uma metodologia muito complexa pode demandar grande gasto de tempo e energia para concluir a avaliação e apurar todos os dados coletados.

Dica-2: Além de metas estratégicas de governo, é importante que sejam considerados também indicadores da atuação na ponta para que os servidores enxerguem como seu trabalho pode contribuir para alcançar as metas.

Dica-3: Ao definir as metas é preciso se atentar sobre a dificuldade de alcançá-las. É preciso encontrar um equilíbrio de metas que sejam desafiadoras, ou seja, não são facilmente alcançáveis, mas que ao mesmo tempo são possíveis de bater. Assim, os servidores ficam motivados a tentar alcançá-las.

Além das dicas oferecidas pelos mentores da Jornada, a equipe de Maceió também compartilhou seus aprendizados que podem ser úteis na hora de realizar a replicabilidade do piloto em sua administração. Entre eles encontram-se:

  • Compreender as perspectivas e alinhar para um objetivo maior, sem sair do prumo. Ou seja, ter clareza sobre o que se espera alcançar com a metodologia de avaliação de desempenho, e do como a implementação do piloto irá auxiliá-los a atingir o objetivo principal, que neste caso é o engajamento do servidor público.
  • Entender como funciona a curva de interesse em um projeto de longo prazo. A chave aqui está no detalhamento das etapas e do interesse a ser atingido em cada uma delas a longo prazo, não pensando apenas no resultado imediato, mas também no impacto que será alcançado no longo prazo.

Por fim, não poderíamos deixar de parabenizar todo o esforço, dedicação e engajamento da equipe de Maceió durante a Jornada.

Sem comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.