Bem Comum leva prefeitura aos bairros de Juiz de Fora

 

Introdução

Lançado em julho de 2013, o Bem Comum é um projeto da Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura de Juiz de Fora, e tem o objetivo de aproximar e engajar a população da prefeitura para promover a melhora da qualidade de vida da população, encurtando o caminho entre quem quer ajudar e quem precisa de ajuda.

Desde seu lançamento, o Bem Comum investe em iniciativas através de parcerias com empresas públicas, privadas ou Organizações Não Governamentais (ONGs) para oferecer cultura, saúde e confraternização a instituições e assistidos por programas sociais. 

Em cinco anos de atuação, o projeto realizou 283 ações, nas quais 314 instituições foram contempladas, doou cerca de 3,5 toneladas de alimentos, 3,4 toneladas de roupas e cobertores, cerca de 5 mil livros e brinquedos, 281 mechas de cabelo, 5 toneladas de produtos diversos e 900 chocolates. Cerca de 350 vagas de serviço voluntário já foram anunciadas através do “Classificados do Bem”. Somando todas as ações, milhares de pessoas já foram beneficiadas.

Em 2019, pela primeira vez, quem decidiu a localidade que deveria receber diversas atividades e serviços do Bem Comum Bairros, projeto complementar do Bem Comum, foi a população juiz-forana, por meio do Colab, através da ferramenta “Consulta Pública”. Juiz de Fora foi a primeira cidade de Minas Gerais a utilizar o aplicativo para fazer consultas à população.

 

Por que é inovador?

O caráter inovador do Bem Comum consiste no novo modo de enxergar o cidadão, como coparticipante do poder público na construção de resultados para a comunidade, transformando-o de órgão executor em intermediário entre quem pode ajudar e quem necessita de ajuda. Além disso, o projeto foi estruturado de forma desvinculada da Secretaria Municipal de Assistência Social, o que reforça a característica de mobilização em prol da cidade, legitimando a relação de diversos setores e formando uma rede de cidadãos engajados no município.

 

Desafio / Diagnóstico

A Prefeitura de Juiz de Fora enfrentava certa descrença da população quanto ao seu papel de gerir e aprimorar os serviços essenciais da cidade, bem como resolver as questões que afetam a vida dos cidadãos. Esse descrédito ficou ainda mais evidente com o crescimento dos canais diretos de participação cidadã e a utilização das redes sociais por uma parcela maior da sociedade.

Dessa forma, a administração municipal não encontrava o engajamento e adesão sociais necessários para o melhor desenvolvimento das políticas públicas, afetando o resultado de sua aplicação na cidade, e, por conseguinte, o nível de satisfação do munícipe com relação aos serviços prestados.

 

Estratégia

A Prefeitura de Juiz de Fora sentiu a necessidade, então, de criar uma política de participação social, para além dos planos de comunicação já existentes para os projetos e ações a serem implementados no município. Assim nasceu o Programa “Bem Comum”, criado pela Secretaria Municipal de Comunicação Social, a qual além de desenvolver o trabalho de comunicação, relações públicas e marketing, tinha a missão de criar ações de mobilização junto à população, com o objetivo de promover uma comunicação pública mais abrangente e eficaz, de modo a encontrar respaldo das políticas nos cidadãos.

Dessa forma, o Programa Bem Comum foi estruturado para que através de ações, difusão de boas práticas e comunicação social, pudesse promover e aproximar o poder público do munícipe, estimulando continuamente o engajamento na cidade. Assim, a Prefeitura apostou na importância de se reconhecer o protagonismo dos diferentes atores da cidade, os quais atuariam como agentes de todas as políticas e coparticipantes do poder público.

 

Ferramentas

Atualmente, o Bem Comum possui estrutura dentro da Secretaria de Comunicação Social, com uma equipe desenvolvendo estratégias permanentes de mobilização e engajamento. O projeto possui também canais próprios na internet, o que facilita ampla repercussão da imprensa local e inserção junto a mais parceiros de todas as iniciativas.

Existem também os projetos complementares de participação dentro dele, tais como o “Bem Comum Bairros”, de oferta de serviços públicos a comunidades de maior vulnerabilidade, o “Bem Comum Lazer”, de apropriação do espaço público pelos cidadãos, o “Classificados do Bem”, de formação de corrente de voluntários para instituições sociais, e o “Pense Bem”, de endomarketing.

Aliado a isso, a estrutura montada para atender os canais diretos e as exigências das novas legislações (Lei de Acesso à Informação, transparência e Código de Defesa dos Usuários de Serviços Públicos) já possibilita a Secretaria de Comunicação Social um planilhamento muito rico do que o cidadão solicita, garantindo ao poder público uma melhor gestão dessa informação para a execução de uma ação pública.

Outra ferramenta do programa é o aplicativo Colab, utilizada para realizar a votação a fim de decidir o bairro que deveria receber uma edição do projeto Bem Comum Bairros em 2019. Os cidadãos puderam acessá-la pelos dispositivos móveis ou computadores, através do aplicativo ou do site do Colab, fazendo o login pelo facebook, e-mail ou Cadastro de Pessoa Física (CPF).

No Bem Comum Bairros, além da oferta de serviços como avaliação antropométrica, testes de pressão e de glicemia, saúde bucal, serviços de negociação de dívidas, atualização de dados cadastrais e denúncia de ligações de água irregulares, orientações jurídicas e cadastramento para castração de cães e gatos (Castramóvel), houve também algumas edições com a realização de plenárias com o Prefeito e Secretários, tirando dúvidas da população quanto a atuação da prefeitura, bem como recebendo sugestões de melhorias para a cidade.

 

Parceria

  • Comunitas

  • Secretaria Municipal de Comunicação Social

  • Secretaria Municipal de Governo

  • Colab

 

Resultado

 

O Bem Comum conseguiu vencer a resistência e o descrédito da população em relação ao poder público municipal, conquistou agentes multiplicadores, engajou o cidadão e, enfim, consolidou uma relação benéfica para todas as partes envolvidas. Tal relacionamento permitiu demonstrar aos cidadãos que, embora a prefeitura ainda tivesse a responsabilidade da execução dos serviços públicos, o juiz-forano também tinha um papel fundamental na busca de resultados e nos processos decisórios na cidade.

As ações, que inicialmente tinham um viés de caridade, logo evoluíram para a conscientização, ocupação de espaços públicos, aprimoraram o vetor da participação popular e provocaram a sociedade sobre temas importantes. 

Com o objetivo de aproximar quem precisa de ajuda de quem pode e quer ajudar, o projeto implantado na Secom foi desvinculado da Secretaria Municipal de Assistência Social e reforçou a característica de mobilização de uma corrente em prol da cidade. Com a ajuda de parceiros, foram desenvolvidas várias ações, entre elas:

 

  • Mais de 200 campanhas de solidariedade;

  • Mais de um milhão de itens distribuídos;

  • Mais de 500 mil beneficiados;

  • 19 edições do Bem Comum Bairros, com mais de 30 mil pessoas atendidas;

  • Mais de 62 edições do Bem Comum Lazer;

  • 10 edições do Classificados do Bem, com mais de 200 vagas disponibilizadas em 50 instituições;

  • Os valores conquistados em mídia espontânea durante esse período ultrapassam a casa dos R$ 600 mil;

  • A avaliação do Governo municipal, medida no final de 2016, apontou um índice de aprovação de mais de dois terços da população;

  • Ramificações através do Bem Comum Lazer, de apropriação do espaço público pela comunidade, e do Bem Comum Bairros, que levou ações e serviços da Prefeitura a todas as regiões do município, mensalmente, com plenária do prefeito e dos secretários municipais, atendendo diretamente demandas apresentadas pelos cidadãos.

Conteúdos relacionados

Teresina engaja cidadão na redução da violência

Aplicativo como canal de comunicação entre a prefeitura e cidadão

Orçamento Participativo da cidade via app em Santos